quinta-feira, 20 de julho de 2017

Loures entrega petição no parlamento para exigir expansão do metro ao concelho

19/7/2017 - Observador

A Câmara Municipal de Loures vai entregar na quinta-feira no parlamento uma petição, com mais de 25 mil assinaturas, para reivindicar a expansão do metro às cidades de Loures e Sacavém.

A petição foi lançada no dia 1 de junho, em formato online e papel, e recolheu até esta quarta-feira mais de 25 mil assinaturas.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A Câmara Municipal de Loures vai entregar na quinta-feira no parlamento uma petição, com mais de 25 mil assinaturas, para reivindicar a expansão do metro às cidades de Loures e Sacavém, foi anunciado esta quarta-feira pela autarquia.

A petição foi lançada no dia 1 de junho, em formato online e papel, e recolheu até esta quarta-feira mais de 25 mil assinaturas.

No documento, a Câmara Municipal de Loures e a população do concelho exigem a concretização da extensão do Metropolitano para o concelho, através da criação de estações em Santo António dos Cavaleiros, Loures, Infantado, Portela e Sacavém.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares (CDU), congratulou-se com o “êxito desta iniciativa” e manifestou-se otimista quanto a um possível alargamento da rede do metropolitano ao concelho.

Esta dimensão em tão pouco tempo mostra que a reivindicação que temos feito é amplamente sufragada pela população do concelho de Loures. Não é mais possível ignorar as necessidades de expandir o metro”, afirmou o autarca.
Bernardino Soares explicou que uma das cópias da petição será entregue na Assembleia da República e a outra ao Governo.

Tendo em conta o número de assinaturas, a petição está em condições de ser discutida em plenário da Assembleia da República. Esperamos que isso seja feito o mais rapidamente possível”, atestou.

Um dos argumentos utilizados pela Câmara Municipal de Loures é que uma ligação de metro entre esta cidade e a de Lisboa iria contribuir para descongestionar o tráfego automóvel que entra todos os dias na capital.

As reivindicações da Câmara Municipal de Loures surgem na sequência do anúncio que foi feito em maio pelo Governo de que o Metropolitano de Lisboa iria ter mais duas estações até 2022 – Estrela e Santos, estando previstas também estações nas Amoreiras e em Campo de Ourique, embora nestes dois casos sem uma data prevista de conclusão.

De acordo com o plano de desenvolvimento operacional da rede, está previsto o prolongamento da Linha Amarela do Rato ao Cais do Sodré, com duas novas estações na Estrela e em Santos.

O custo desta obra é de 216 milhões de euros, com recurso a fundos comunitários e a empréstimo no BEI – Banco Europeu de Investimento.

sábado, 8 de julho de 2017

Carris lança carreiras da rede de bairros na terça-feira

07/07/2017 - Economia Online

A Carris lança na terça-feira as primeiras duas carreiras no âmbito do projeto da "Rede de Bairros" de Lisboa, prevendo a conclusão da nova rede em 2019, anunciou hoje a operadora.

Em comunicado, a Carris, sob alçada da Câmara de Lisboa desde fevereiro, adianta que as duas primeiras carreiras vão operar em Marvila, sendo a “primeira vez em 17 anos que são lançadas novas carreiras de autocarros”.

“Trata-se de um conjunto de novas carreiras que pretende reforçar a mobilidade local, criando complementaridade à rede já operada pela Carris. Estas novas linhas procuram gerar maior proximidade às infraestruturas mais importantes dos bairros, como escolas, centros de saúde, mercados e estações de metro“, explica a Carris.

Além das duas carreiras de Marvila, vão ser integradas no projeto duas linhas já existentes, mas que tiveram os seus trajetos revistos: o 779 nos Olivais, que passa a 29B, e o 757 em Santa Clara, que fica com a designação de 40B. No Parque das Nações, o 400 também passa a integrar esta rede, como 26B, devendo o seu percurso ser reformulado em setembro.

As carreiras de bairro vão funcionar sete dias por semana, entre as 07:00 e as 22:00, com uma frequência de 30 minutos nos dias úteis e de hora a hora aos fins de semana.

Todos os títulos de transporte existentes na Carris são válidos para os novos percursos e será criado um passe especifico, que terá um custo de 10 euros por cada 30 dias.

No comunicado, a operador adianta que o objetivo é lançar, pelo menos, uma carreira de bairro por freguesia, prevendo a conclusão da rede em 2019.

A Câmara de Lisboa debateu no final do mês de junho a introdução de quatro carreiras na Carris no âmbito desta rede, prevendo que até ao final do ano de 2018 todas as 21 linhas propostas possam estar em pleno funcionamento.

Os vereadores do PCP, CDS-PP e PSD consideraram que a introdução destes quatro percursos não melhora o funcionamento da rodoviária porque não responde às necessidades dos munícipes.